Federação  Cearense  de  Basketball

Fortaleza, 03 de maio de 2017

NOTA OFICIAL NO  091/2017

FIBA MANTÉM A SUSPENSÃO DA CBB ATÉ JUNHO DE 2017

Pronunciamento oficial do Presidente Guy Rodrigues Peixoto Junior

Nesta quarta-feira, a FIBA reconheceu os esforços da nova gestão da Confederação Brasileira de Basketball na sua busca pelo fim da suspensão imposta pela entidade, mas manteve a suspensão, decisão que dá origem à declaração oficial do Presidente Guy Rodrigues Peixoto Junior, que se segue:

"Apesar da manutenção da suspensão, o Comitê Executivo da FIBA reconheceu nossos esforços e nos deu um novo prazo para apresentar as mudanças, que será na reunião do dia 21 de Junho. A nossa gestão deu um passo importante na última visita à sede da FIBA, onde apresentamos nosso plano de ação e tudo que vem sendo feito para reerguer a CBB. A missão é muito difícil e árdua devido ao “legado” deixado pela gestão anterior. O Brasil continua fora de competições internacionais até Julho. Isso dificulta ainda mais nosso trabalho, mas vamos tentar entrar com um pedido para não ficarmos de fora dos campeonatos de base já na próxima semana. Reafirmamos nosso compromisso de colocar a CBB no lugar que nunca deveria ter deixado de sair, e hoje temos certeza de que estamos no caminho certo. Nós e todos aqueles que amam o basquete estávamos torcendo por uma resposta diferente desta quarta-feira (03), mas tendo em vista o cenário, percebemos que demos um passo à frente na nossa dura caminhada."

Esta Federação filiada se irmana ao sincero pronunciamento do novo Presidente CBB, que nos mantém informado de todos os seus atos e fatos em busca de entender porquê se instalou o caos na administração do basquetebol brasileiro e quem teria sido beneficiado com tamanha barbaridade. Mais uma vez tornamos público nosso repúdio a todos os atos dos dois últimos gestores da CBB que entenderam ser a CBB uma “propriedade particular” enquanto praticavam atos administrativos ao arrepio dos textos legais, a quatro paredes, sem dar conhecimento às Federações filiadas, tidas apenas como zero à esquerda de seus insensatos atos.

Inteira razão tem a FIBA em condenar os atos que transferiram a governança do basquetebol brasileiro a outra pessoa jurídica, a partir de janeiro de 2009, em acordo bilateral que julgamos pleno de nulidade e, reiteramos mais uma vez: o gestor CBB de janeiro de 2009 se encontrava às vésperas de terminar o seu terceiro mandato como Presidente e, não sendo reeleito, iria transferir o ônus para novas gestões porque não há cláusula que discipline a validade do acordo (seria vitalício), nem cláusula que permita a renúncia por nenhuma das partes. 

Reiteramos nosso longo expediente à CBB (Oficio 117, de 21 de dezembro de 2016) em que são citadas inúmeras violações a leis e à própria Constituição Federal, requerendo que, em face dos vícios contidos na peça, o Termo de Compromisso e Obrigações Recíprocas assinado em 28 de janeiro de 2009 deve ser tornado nulo de pleno direito, resguardados possíveis danos às partes e requerida a sua imediata resilição e que os Campeonatos Nacionais de Clubes Adulto Masculino, já a partir de 2017, sejam dirigidos, organizados e promovidos pela CBB, retornando a governança do basquetebol brasileiro à CBB em submissão aos seus fins e aos mandamentos da FIBA (o mesmo para o Campeonato Nacional de Clubes Adulto Feminino, devido a acordo ilegal praticado pelo último gestor CBB).

Por fim, nossos votos para que a auditoria instalada escancare o que ocorreu e que os culpados, se houver, sejam julgados na forma da lei.

Adelson Leite Julião

Presidente




Adelson Leite Julião

Presidente

Versão para impressão