FEDERAÇÃO CEARENSE DE BASKETBALL
RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS EM 2020
                                                                                                                                                                       1
01. ANO TOTALMENTE ATÍPICO FACE À PANDEMIA
      A partir de março de 2020, todas as atividades previstas no Calendário Esportivo de 2020 foram suspensas devido a proibições contidas em decreto do governo estadual visando ao enfrentamento do Covid 19 no território cearense.
 
02. COMPETIÇÕES REALIZADAS
      Todos os detalhes das competições estão inseridos nas Notas Oficiais expedidas pela FCB até que se passou a cumprir os ditames do governo estadual.
      1) IV TORNEIO “BENJAMIN MOREIRA DE SOUZA”
          Fase semifinal
          Time A2                  72 x 69 Relax Basketball/Ideal Clube
          Pindoretama            74 x 50 Asb Sobral/Guarany
          Asb Sobral/Guarani 60 x 50 Pindoretama
          Relax/Ideal Clube    65 x 56 Time A2
          Pindoretama             65 x 59 Asb Sobral/Guarany
          Time A2                   84 x 75 Relax Basketball/Ideal Clube
          Fase final
          Time A2                  70 x 52 Pindoretama
          Pindoretama            70 x 63 Time A2
          O terceiro jogo que decidirá o Torneio será jogado apõs o “lockdown” estadual.
 
       2) Liga Sertão Basquete (chancelada) I Circuito
           Chave A
           Senador Pompeu    36 x 34 Itapiúna        Limoeiro do Norte 39 x 35 Quixeramobim
           Quixeramobim       36 x 24 S. Pompeu    Limoeiro do Norte 35 x 26 Itapiúna
           Chave B
           Crateús                    41 x 37 Jucás           Jucás 35 x 27 Quixadá
           Quixadá 49 x 32 Crateús
           
           Decisão do I Circuito         Quixadá 39 x 29 Limoeiro
 
03. RECEITAS E DESPESAS NO EXERCÍCIO DE 2020
     Passemos a expor todas as origens das receitas e como o dinheiro foi empregado pela FCB no exercício de 2020:
     Receitas de janeiro
     Dia 19 Taxas de jogos Relax-Time A2                            140,00
     Dia 24 Taxas de jogos Asb Sobral                                   140,00
     Dia 25 Taxa de jogo Pindoretama                                      70,00
     Dia 26 Taxas de jogos Pindoretama-Relax-Time A2      210,00      560,00
 
     Despesas de janeiro
     Dia 27 Remessa Relatório 2019 para a CBB                     10,35
                 Cópia Xerox do relatório 2019                                6,00
     Dia 06 Tarifa bancária BB                                                 84,00
     Dia 10 Apostila das Notas Oficiais 2019                            5,00
     Dia 19 Pagamento rodada 19 janeiro Colégio Militar     155,00
     Dia 21 Apostila das súmulas dos jogos 2019                    20,00
     Dia 25 Pagamento rodada 25 janeiro Círculo Militar     175,00
     Dia 26 Pagamento rodada 26 janeiro Colégio Militar     310,00       765,35
 
     Receitas de fevereiro
     Dia 11 Taxas registro3 jogadores Crateús                        60,00
                 Taxas registros 6 jogadores Jucás                       120,00
     Dia 12 Taxas registros 8 jogadores Limoeiro                 160,00
                 Taxa inscrição EBN na Série A1                        580,00
      Dia 14 Taxa registro Crateús                                           20,00
                  Taxas registros 5 jogadores Limoeiro               100,00
                  Taxa inscrição EBN Série A1                            580,00
       Dia 15 Taxa de jogo Asb Sobral                                     70,00
       Dia 16 Taxas de jogos rodada Colégio Militar
                   Time A2 – Relax-Pindoretama                         210,00
           
       Dia 18 Taxas inscrição 3 jogadores Senador Pompeu    60,00
       Dia 19 Quixeramobim (100) – Quixadá (220)             320,00
       Dia 21 Depósito não esclarecido 200,00
       Dia 26 Depósito ABC  acordo 5/10                           2 000,00      4 480,00
 
       Despesas de fevereiro
       Dia 05 Manutenção do site UOL                                    91,14
                  Tarifa Banco do Brasil manutenção da conta      84,00
       Dia 16 Pagamento rodada 16 fev Colégio Militar        310,00        485,14
                                                                                                                                                                                     3
      Receitas de março
      Dia 11 Taxas de jogos Pindoretama                               140,00
      Dia 14 Taxa de jogo Time A2                                          70,00
      Dia 15 Taxa de jogo Time A2 70,00                              280,00
 
      Despesas de março
      Dia 03 Repasse para a CBB frete terrestre de  bolas     196,70
      Dia 13 Troféus e medalhas IV “Benjamin”                   500,00
      Dia 14 Pagamento jogo 14 março Colégio Militar       155,00
      Dia 15 Pagamento jogo 15 março Colégio Militar       155,00
      Dia 25 Recarga de cartucho                                            50,00      1 056,70
 
      Receitas de abril                                                                            sem receitas
      Despesas de abril
      Dia 05 Tarifa Banco do Brasil manutenção da conta     84,00           84,00
 
     Receitas de maio                                                                              sem receitas
 
    Despesas de maio
    Dia 05 Tarifa Banco do Brasil manutenção da conta       84,00           84,00
 
    Receitas de junho                                                                              sem receitas
 
    Despesas de junho
    Dia 05 Tarifa BB manutenção de conta                            84,00
    Dia 30 Honorário a advogado                                      1 000,00     1 084,00
 
    Receitas de julho                                                                            sem receitas
 
   Despesas de julho
   Dia 05 Tarifa BB manutenção de conta                             84,00
   Dia 09 Custas processuais TJ Ceará                             1 104,17
              Custas processuais TJ Ceará Defa pública           115,21
              Custas processuais TJ Ceará Ministério Púbico   144,03
   Dia 13 Ajuda custo transporte ao interior                       350,00
   Dia 16 Custas processuais Tribunal e Justiça                   47,14
   Dia 29 Custas em cartório                                                13,44
               Despesas motoboy  para contador–DIPJ FCB     70,00
   Dia 30 Correios AR                                                          14,75       1 942,74
 
   Receitas de agosto
   Dia 05 Repasse parcela 1 do acordo FCB/ABC          2 000,00
               Repasse parcela 1 do acordo FCB/ABC          4 500,00       6 500,00
 
    Despesas de agosto
    Dia 01 Contador apresentação DIPJ da FCB                200,00
    Dia 05 Tarifa BB manutenção de conta                          84,00
                UOL manutenção serviço ativo                          98,11
                                                                                                                                                                                 4
    Dia 07 Honorários advocatícios 6ª. Vara Civel         1 600,00
    Dia 12 Aqusição de bolas Crossover 7.8 Oficial      3 069,00
                Recarga de cartucho de impressora                   20,00     
    Dia 17 Renovação domínio UOL site FCB                   99.00
    Dia 20 Despesas Cartório Moraes Correia repasse     160,00
    Dia 21 Despesas Cartório Dona Clara Iguatu               95,06
               Combustivel Presidente Asb Sobral Fortaleza 200,00
    Dia 24 Aquisição Papel A4                                           25,00
                Ajuda custo viagem ao interior                       300,00
    Dia 28 Ajuda custo viagem clube de Quixeramobim 300,00
                Abastecimento carro advogado                       100,00
    Dia 29 Almoço para representantes Quixeramobim   157,10        6 507,27
 
   Receitas de setembro
   Dia 08 Repasse parcela 2 do acordo  FCB/ABC       6 500,00       6,500,00
 
   Despesas de setembro
   Dia 05 Tarfifa bancária manutenção da conta                84.00
   Dia 12 Combustivel assessoria jurídica FCB               100,00
   Dia 14 Custas em Cartório para documentos                  87,93
   Dia 17 Custas em Cartório – Quixeramobim                168,37
   Dia 21 Custas em Cartório de Senador Pompeu           150,00
   Dia 24 Custas em Cartório de Iguatu                              95,06
   Dia 30 Custas a advogado                                          1 100,00       1 785,36
 
   Receitas de outubro
   Dia 19 Taxas de transferências Basquete Cearense   1 500,00
   Dia 28 Taxa de transferência Basquete Cearense         750,00       2 250,00
 
   Despesas de outubro
   Dia 02 Custas a advogado                                            400,00
   Dia 05 Tarfifa bancária manutenção da conta                84.00
               Repasse equipe Pindoretama adquirir bolas     300,00
               Despesas Cartório Melo Junior                        137,00
               Despesas Cartório Cavalcante Filho                  10,52
               Despesas Cartório Mucuripe                              68,20
               Despesas Cartório Morais Correia                       9,48
    Dia 06 Custas a advogado Contestação a petição    1 100,00
    Dia 07 Xerox de petições a Juizo                                  17,50
    Dia 08 Custas do AGRAVO decisão liminar              224,49
    Dia 09 Custas a advogado Agravo liminar              1 200,00
    Dia 16 Correios manuais para Juazeiro do Norte         21,45
    Dia 27 Aquisição fone e microfone para PCU             98,90          3 671,54
 
    Receitas de novembro
    Dia 27 Taxa de transferência Basquete Cearense      750,00              750,00
                                                                                                                                                                                 5
    Despesas de novembro
    Dia 05 Manutenção serviço ativo UOL FCB                98,11
    Dia 12 Custas Cartório Morais Correia                      546,87
    Dia 26 Custas processuais                                          500,00
    Dia 30 Manutenção CPU troca de fonte                     210,00          1 354,98
 
    Receita de dezembro                                                                        sem receitas
 
    Despesas de dezembro
    Dia 05 Tarifa manutenção da conta                               84,00
    Dia 07 Hospedagem do site Nov 20 a Nov 21            185,00
    Dia 17 Parte de honorários advocatícios                     500,00             769,00
 
04. CALENDÁRIO ESPORTIVO PARA O ANO DE 2021
      Racionalmente, o Calendário Esportivo para o ano de 2021 só será configurado após a autorização do governo estadual. Buscar-se-á:
      a) o fortalecimento das categorias de base e as realizações de competições no interior do Estado, aperfeiçoando o existente;
      b) o resgate das competições amadoras femininas, particularmente até 17 anos, limite natural de nossa realidade amadora quando o naipe feminino praticamente abandona a prática;
     c) inserir as competições nacionais após decisão da CBB.
 
05. RECOMPOSIÇÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DESPORTIVA/FCB
     Com base na sentença definitiva da MM Juiza da 36ª Vara Cível da Comarca de Fortaleza que declarou extinto o processo 0178548-80.2015.8.06.0001, com resolução do mérito, como narrado acima, a FCB diligencia no sentido de cumprir as medidas previstas no Art. 281 do CBJD a fim de recompor o TJD/FCB no mais breve espaço de tempo.
 
06. CBB CEDE BOLAS À FCB – FCB adquire bolas no Mercado Livre
    Após longo período sem favorecimento e pago o frete devido pela FCB, a CBB nos favoreceu com 20 bolas, como se vê:
     Bola TF Elite masculina 10 Bola TF Elite Fem (modelo antigo) 5
     Bola TF 33 3 Bola diversas (Moltem, penalty) 2
     Todas as bolas foram distribuídas aos clubes filiados ativos, de imediato.
     Usando cartão pessoal do Presidente, a FCB adquiriu 11 bolas Penalty 7.8 Crossover.
 
07. ENTENDIMENTO SOBRE A GOVERNANÇA DO BASQUETEBOL BRASILEIRO
     Em contraditório a entrevista pessoal do CEO da Liga Nacional de Basquete- LNB, via “live” Instagram, a FCB publicou matéria em defesa da CBB, contrapondo-se aos argumentos contidos nessa entrevista vez que a LNB silenciou quanto à sua responsabilidade pela argumentação embora o entrevistado não faça parte da Diretoria e nem do Conselho de Administração da LNB, esta chancelada por promover o chamado NBB, mas é do conhecimento público que o CEO é  reconhecido como funcionário remunerado da citada entidade jurídica (seria seu Superintendente como consta com sua assinatura no registro realizado pela LNB em 28 de agosto de 2019 (10º RCPJ/SP alteração de Estatuto).
                                                                                                                                                                                      6
      O entrevistado declara-se contrário ao ordenamento do desporto brasileiro (LEI nº 9.615, de 24 de março de 1998 que alterou a Lei Zico e com suas alterações posteriores), e em seu azedume da crítica injusta e infundada, defende a razão de ser da LNB (competição totalmente voltada para o basquetebol profissional) e ainda impõe restrições a futuras entradas de clubes da CBB que participarem dos já anunciados Campeonatos Brasileiros.
Causou desconforto a sua indelicada expressão “MODELO FALIDO”, referindo-se naturalmente ao contido na Lei 9.615 e isso seria o pensamente formal da LNB ao desacreditar a CBB e as Federações estaduais, que não deveriam existir. A visão LNB estará acima do ordenamento nacional do desporto, como está na Lei, enquanto defende a inversão da pirâmide?
      Seria também propósito da LNB estender suas ações realizando uma competição Sub 17, na já conhecida Liga de Desenvolvimento – LDB.
      A nossa CBB, desde 1933, esta Federação Cearense de Basketball, desde 1938, e demais co-irmãs estaduais, inspiradas nos fundamentos constitucionais do Estado Democrático de Direito, estão e sempre estarão voltadas para o desporto, como direito individual, tendo como base princípios consagrados, como está na Carta Magna:da soberania, caracterizado pela supremacia nacional na organização da prática desportiva:
     a) da autonomia, definido pela faculdade e liberdade de pessoas físicas e jurídicas de se organizarem para a prática desportiva;
     b) da democratização, garantido em condições de acesso às atividades desportivas sem quaisquer distinções ou formas de discriminação;
     c) da liberdade, expresso pela livre prática do desporto, de acordo com a capacidade e interesse de cada um, associando-se ou não a entidade do setor;
    d) do direito social, caracterizado pelo dever do Estado em fomentar as práticas desportivas formais e não-formais;
    e) da diferenciação, consubstanciado no tratamento específico dado ao desporto profissional e não-profissional;
     A LNB surgiu apenas em 01 de agosto de 2008 e se diz com fins não econômicos mas está voltada para o basquetebol profissional, como se deduz pelo conteúdo da entrevista e pelo que consta em sua Carta institucional.
     A CBB poderia e deveria pedir explicações à LNB sobre o conteúdo da entrevista e estudar a possibilidade de retirar a chancela dada em apoio, caso a chancelada expresse concordância com o acima citado em que há cristalino desrespeito ao Estatuto da CBB e não se poderia/deveria aceitar imposições da LNB em nossos fins e que a entidade chancelada caminhasse com seus próprios pés, filiando-se/associando-se a outra entidades internacionais independentes.
   Descrito o fato, eis o que entende esta FCB:
  1) Consta do Art. 1º da LNB (que surgiu em 01 de agosto de 2008) - a LNB e seus filiados reconhecem que as normas da CBB e da FIBA devem imperar em todas as situações;
                                                                                                                                                                                         7
    - a LNB tem o campeonato brasileiro masculino adulto de basquetebol reconhecido pela CBB;
    - quando da realização de outros campeonatos e mediante solicitação à CBB, a LNB poderá ter os mesmos reconhecidos, não importando este reconhecimento, ou a falta dele, em impedimento para a realização dos mesmos.
Inacreditável que o Presidente da CBB de então tenha reconhecido a LNB com os textos estatutários de 2008 e firmado o acordo bilateral em 28 de janeiro de 2009, à revelia das Federações filiadas, repete-se, como se a CBB fosse uma sua propriedade particular.
   2) Consta do Art. 15 da LNB (em 01 Ago de 2008, antes de ser aceita) que serão admitidas como associados/filiados as entidades de prática ou de natureza desportiva do basquetebol e que concomitantemente “estiverem regularmente inscritas na (sic) entidades de administração regional da modalidade (federações) ou na entidade nacional – CBB-Confederação Brasileira de Basketball”
    O que se vislumbra, segundo nosso juízo sujeito a contraditório:
    - já em 2008, antes de pedir reconhecimento/chancela, a LNB já insere em sua Carta que os clubes inscritos nas Federações estaduais serão aceitos.
    - entidades de prática estão impedidas de filiação às entidades de administração nacional, como se autoproclama a LNB em sua Carta.
    A CBB decidiu regular a sua chancela à LNB via Portaria nº 01, de 18 Dez 2018 que “dispõe sobre as diretrizes gerais para que a LIGA NACIONAL DE BASQUETE (LNB) possa realizar o campeonato brasileiro de clubes de basquetebol adulto masculino, denominado Novo Basquete Brasil – NBB, promovido, organizado e dirigido pela LNB, segundo as normas estabelecidas pela FIBA e CBB.
    Nessa citada Portaria estão todas servidões para que se mantenha a chancela (Ver Nota Oficial 245/2018, de 21 de dezembro), em que servidões são destacadas:
    a) “Art. 8º – Ao realizar competições com a chancela da CBB e da FIBA, a LNB reconhece que não se enquadra na categoria de liga independente prevista no Artigo 20, parágrafo 5º da Lei 9.615/98, aplicando-se integralmente os parágrafos 3º e 7º do mesmo artigo, bem como Estatutos da FIBA e da CBB, com seus regulamentos e atos internos.”
    b) “Art. 9º – Quaisquer dúvidas e omissões devem ser tratadas através de Portarias da CBB e ficam revogados todos os atos e disposições anteriores e contrários à presente, que passa a reger integralmente a realização pela LNB do campeonato brasileiro de clubes de basquetebol adulto masculino, denominado NBB”.
   Enfatiza esta filiada de bom grado que todos os acordos anteriores estavam anulados, ratificando todas as insatisfações da FCB ao longo dos últimos anos e recuperando as autoridades legitimas da CBB e de suas Federações, estas no trato com seus clubes e atletas. Por fim, afirmamos que a entidade LNB poderá caminhar seus próprios pés, filiando-se/associando-se a outras entidades internacionais independentes.
                                                                                                                                                                                        8
    A lei brasileira sobre desporto permite que existam sistemas paralelos, ligas (competições) independentes mas o basquetebol oficial será sempre o da CBB, que poderá receber recursos públicos. Reafirmamos que somos CBB, somos FIBA e esta Federação Cearense de Basketball permanecerá leal ao compromisso.
 
8. PRESTAÇÃO DE CONTA DO EXERCÍCIO DE 2019
    Na forma institucional, convocou-se o Conselho Fiscal – CF da FCB para analisar todos os documentos de receitas e despesas da FCB relativas ao ano de 2019. Após a análise de toda a documentação, o CF emitiu parecer favorável à aprovação das contas FCB relativas a 2019, o que foi ratificado pela Assembléia Geral Ordinária realizada em 28 Set 2020.
 
9. ASSEMBLÉIA GERAL PRORROGA MANDATOS DOS PODERES DA FCB
   No dia 28 Set 2020, reuniram-se em Assembléia Geral Eleitoral por meio eletrônico as associações filiadas com direito de voto, candidatos a Presidente pelas Chapas “Tradição” e “Muda Basquete”, advogados da FCB e do candidato a Presidente pela Chapa “Muda Basquete”, todos devidamente identificados por meio eletrônico. No ato, o Presidente da FCB esclareceu ao plenário sobre a impossibilidade de realização do procedimento eleitoral programado via Nota Oficial 044 de 26 Ago 2020, em face de ter recebido o Mandado de Citação e Intimação nº 001.2020/180114-1, expedido por ordem do MM Juiz da 3ª Vara Cível da Comarca de Fortaleza em decisão prolatada nos autos do Processo nº 0254057-41.2020.8.06.0001, enfatizando que foi determinado “a suspensão do procedimento eleitoral a se realizar no dia 28 de setembro de 2020, ficando suspensa a designação de novo pleito até ulterior deliberação deste juizo“.
    O Presidente da FCB expôs a questão da extinção de seu mandato em 28/09/2020 e a perda de representatividade legal da FCB em virtude do teor da decisão supra citada, passando a palavra ao advogado da FCB – Dr. Marco Aurélio Lopes de Souza para maiores esclarecimentos sobre o tema, ocasião em que informou que o Processo fora interposto exclusivamente contra a entidade (PJ – Federação Cearense de Basketball) e sobre os efeitos da inexistência de Representante Legal na FCB após 28/09/2020, sobretudo, para fins de administração junto á CBB e outros fins bem como em relação ao processo suso referido, visto que não haveria representação legal para outorgar poderes de representação para o advogado que fará a defesa da Federação, inviabilizando a apresentação de qualquer defesa.
    Empós, o Presidente da FCB solicitou a manifestação de todos os presentes buscando uma solução para o imbróglio.       Tratando-se de matéria de que, em tese, poderia ser de seu interesse, o Presidente da FCB solicitou ao plenário que indicasse um dos presentes para, a partir daí, presidir os trabalhos, sendo indicado o Dr. Manuel Márcio Bezerra Torres OAB-CE 8420, tendo este indicado o Sr. Rogério Magno Costa Barbosa OAB- CE 28.624 como Secretário “ad hoc”, ambos representantes outorgados de clubes filiados.
   O Presidente da Assembléia Geral discorreu sobre a matéria e propôs a prorrogação dos atuais mandatos a fim de que a FCB continuasse com representação legal, ocorrendo a oitiva dos demais presentes, inclusive do Sr. Ernando Ferreira Rodrigues Júnior (Chapa “Muda Basquete”) e de seu patrono Dr. Breno Pinto Gondim de Almeida que, via “chat” da reunião, informou não ter comentários a apresentar.
   Decidiu-se por prorrogar os mandatos dos atuais Poderes da FCB até o trânsito em julgado de processo judicial acima referido e outros decorrentes do mesmo fato, tudo
 
                                                                                                                                                                                          9
visando a manter a representatividade legal da FCB, nos termos das disposições do Código Civil e da Carta Estatutária. A ata dessa AG encontra-se devidamente averbada no Cartório Melo Jr. onde a FCB adquiriu personalidade jurídica.
 
10. ACÓRDÃO DO TRF5 EM FAVOR DE ADELSON LEITE JULIÃO (Mantida a sentença que determinou a sua exclusão do polo passivo do feito executivo)
DA 4ª. TURMA do TRF5
PROCESSO Nº: 0005204-08.2014.4.05.8100 - APELAÇÃO CÍVEL APELANTE: FAZENDA NACIONAL RECORRENTE ADESIVO: ADELSON LEITE JULIAO
                                                                       RELATÓRIO
Trata-se de apelação interposta pela Fazenda Nacional e recurso adesivo interposto pelo particular em face de sentença que julgou procedentes estes embargos à execução fiscal, reconhecendo a ilegitimidade da pessoa física Adelson Leite Julião para compor o polo passivo da execução fiscal nº 0014509-31.2005.4.05.8100.
                                                                             VOTO
Considerando que a Constituição Federal garante a todos os cidadãos o direito de acesso à justiça, ao contraditório e à ampla defesa, tem-se mitigado a obrigatoriedade de garantia integral do crédito executado para o recebimento dos embargos à execução fiscal. De todo modo, para que seja afastada a necessidade de garantia do juízo para a oposição de embargos à execução fiscal, o devedor deve demonstrar, inequivocamente, não possuir patrimônio para garantia do crédito exequendo. Precedente do STJ: REsp 1.681.111/RS, Rel. Ministro Gurgel de Faria, Primeira Turma, julgado em 07/05/2019, DJe 24/05/2019.
Na hipótese, o embargante se limitou a alegar, sem comprovar, a impossibilidade de oferecer garantia à execução. Contudo, como esta Quarta Turma entende que é possível discutir a dívida fiscal mediante ação anulatória de débito, ainda que sem a eficácia de suspender o processo de execução, inexiste óbice ao regular andamento deste feito. Precedentes: Processo 0800389-91.2017.4.05.8402, Relator Convocado: Desembargador Federal Carlos Vinícius Calheiros Nobre, julgado em 15/09/2020; Processo 0812141-93.2017.4.05.8100, Relator: Desembargador Federal Edilson Pereira Nobre Júnior, julgado em 18/08/2020.
No mérito, tem-se que a execução fiscal nº 0014509-31.2005.4.05.8100, proposta em 02/02/2006, foi ajuizada contra a Federação Cearence de Basketball, bem como contra a pessoa física Adelson Leite Julião, objetivando a cobrança de dívidas previdenciárias, no importe de R$ 83.344,88. Note-se que a responsabilidade do embargante não resultou do redirecionamento da execução fiscal, mas, como bem destacado na sentença, porque a autoridade previdenciária aplicava, em todos os casos, a disposição do art. 13 da Lei nº 8.620/93, de modo que seu nome já constava na CDA como corresponsável tributário. Confira-se o teor do dispositivo: Art. 13. O titular da firma individual e os sócios das empresas por cotas de responsabilidade limitada respondem solidariamente, com seus bens pessoais, pelos débitos junto à Seguridade Social.
                                                                                                                                                                                    10
Parágrafo único. Os acionistas controladores, os administradores, os gerentes e os diretores respondem solidariamente e subsidiariamente, com seus bens pessoais, quanto ao inadimplemento das obrigações para com a Seguridade Social, por dolo ou culpa. Ocorre que, em 2011, o STF declarou a inconstitucionalidade formal e material do art. 13 da Lei nº 8.620/93 (RE 562.276/PR, Tema 13), pelo que se afasta a sua aplicação, cabendo à Fazenda Nacional, desde então, justificar a legitimidade passiva da pessoa física, demonstrando que esta incorreu em uma das hipóteses previstas no art. 135 do CTN (atos praticados com excesso de poderes ou infração de lei, contrato social ou estatutos). Na hipótese presente, como a exequente não demonstrou nenhuma das hipóteses para possibilitar a redirecionamento, deve ser mantida a sentença que determinou a exclusão de Adelson Leite Julião do polo passivo do feito executivo. Neste tocante, rejeito a alegação da Fazenda Nacional de que a sentença é nula, argumentando que a discussão acerca da inclusão do embargante no polo passivo por aplicação do art. 13 da Lei nº 8.620/93 foi trazida pela primeira vez na sentença. Afinal, é notório que, quando ainda vigente o art. 13 da Lei nº 8.620/93, os sócios e administradores das empresas eram incluídos na CDA na condição de corresponsáveis pelas dívidas da pessoa jurídica perante a seguridade social. Tanto era assim que o embargante, mesmo sem ser notificado do processo administrativo, acabou sendo incluído no polo passivo da execução fiscal. Demais disso, observa-se que sequer consta nas CDA's, expressamente, o fundamento para inclusão de Adelson Leite Julião, de modo que, se prosperasse a tese da Fazenda Nacional, seria nulo o título executivo na parte que o incluiu como corresponsável, por ausência de fundamentação legal. ,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
 
Ante o exposto, nego provimento à apelação e ao recurso adesivo. É como voto.
 
                                                                              EMENTA
PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL. DÍVIDAS PREVIDENCIÁRIAS. AUSÊNCIA DE GARANTIA. POSSIBILIDADE DE PROSSEGUIMENTO COMO AÇÃO ANULATÓRIA. PESSOA FÍSICA INCLUÍDA NA CDA. ART. 13 DA LEI Nº 8.620/93 DECLARADO INCONSTITUCIONAL. HIPÓTESES DO ART. 135 DO CTN. NÃO DEMONSTRAÇÃO. EXCLUSÃO DO POLO PASSIVO. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS (ART. 85, § 3º, I, DO CPC).
1.Apelação interposta pela Fazenda Nacional e recurso adesivo interposto pelo particular em face de sentença que julgou procedentes estes embargos à execução fiscal, reconhecendo a ilegitimidade da pessoa física A.L.J. para compor o polo passivo da execução fiscal nº 0014509-31.2005.4.05.8100, a qual cobra dívidas previdenciárias no importe de R$ 83.344,88.
2.Para que seja afastada a necessidade de garantia do juízo para a oposição de embargos à execução fiscal, o devedor deve demonstrar, inequivocamente, não possuir patrimônio para garantia do crédito exequendo. Na hipótese, o embargante se limitou a alegar, sem comprovar, a impossibilidade de oferecer garantia à execução. Contudo, como esta Quarta Turma entende que é possível discutir a
 
                                                                                                                                                                                      11
dívida fiscal mediante ação anulatória de débito, ainda que sem a eficácia de suspender o processo de execução, inexiste óbice ao regular andamento deste feito.
3.A responsabilidade do embargante não resultou do redirecionamento da execução fiscal, mas, como bem destacado na sentença, porque a autoridade previdenciária aplicava, em todos os casos, a disposição do art. 13 da Lei nº 8.620/93, de modo que seu nome já constava na CDA como corresponsável tributário. Ocorre que, em 2011, o STF declarou a inconstitucionalidade formal e material do art. 13 da Lei nº 8.620/93 (RE 562.276/PR, Tema 13), pelo que se afasta a sua aplicação, cabendo à Fazenda Nacional, desde então, justificar a legitimidade passiva da pessoa física, demonstrando que esta incorreu em uma das hipóteses previstas no art. 135 do CTN (atos praticados com excesso de poderes ou infração de lei, contrato social ou estatutos).
4. No caso concreto, como a exequente não demonstrou nenhuma das hipóteses para possibilitar a redirecionamento, deve ser mantida a sentença que determinou a exclusão de A.L.J. do polo passivo do feito executivo.
5. Rejeita-se a alegação da Fazenda Nacional de que a sentença é nula, argumentando que a discussão acerca da inclusão do embargante no polo passivo por aplicação do art. 13 da Lei nº 8.620/93 foi trazida pela primeira vez na sentença. Afinal, é notório que, quando ainda vigente o art. 13 da Lei nº 8.620/93, os sócios e administradores das empresas eram incluídos na CDA na condição de corresponsáveis pelas dívidas da pessoa jurídica perante a seguridade social. Tanto era assim que o embargante, mesmo sem ser notificado do processo administrativo, acabou sendo incluído no polo passivo da execução fiscal. Demais disso, observa-se que sequer consta nas CDA's, expressamente, o fundamento para inclusão de A.L.J., de modo que, se prosperasse a tese da Fazenda Nacional, seria nulo o título exxecutivo na parte em que o incluiu como corresponsável, por ausência de fundamentação legal.
6. No que toca à condenação em honorários advocatícios, arbitrada na sentença em 10% sobre o valor do débito atualizado, não merece reforma a decisão, porque, respeitados os limites estabelecidos no art. 85, § 3º, do CPC, mostra-se proporcional e razoável considerando a baixa complexidade da causa e o trabalho desenvolvido pelo causídico.
7. A título de honorários recursais, majora-se a condenação de 10% para 11% do valor do débito, a teor do art. 85, § 11, do CPC. 8. Apelação da Fazenda Nacional e recurso adesivo do particular improvidos. ACÓRDÃO Vistos etc. Decide a Quarta Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, por unanimidade, negar provimento à apelação e ao recurso adesivo, nos termos do relatório, voto e notas taquigráficas constantes dos autos, que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 
É o Relatório.
                                                                    Fortaleza, 30 de dezembro de 2020
                                                                               
                                                                                Adelson Leite Julião
                                                                                  Presidente da FCB



Adelson Leite Julião

Presidente

Versão para impressão