FCB não concorda com chancela da CBB à LNB18/08/2020
Entenda os motivos.

 

FCB NÃO CONCORDA COM CHANCELA DA CBB À LNB

Desde dezembro de 2016, quando esta FCB teve acesso ao nefasto acordo celebrado em 28 de janeiro de 2009 entre o gestor de então da CBB e o representante da LNB, esta entidade se posicionou firmemente contra o imoral ato da “venda” do basquetebol nacional adulto masculino a uma entidade recém-nascida. O gestor CBB de então esqueceu todo o esforço daqueles que fizeram nascer a CBB em 1933 e, em ato isolado, irresponsável, e sem as oitivas das Federações estaduais, entregou de “mão beijada” parte da governança do basquetebol brasileiro a uma pessoa jurídica totalmente afastada das Federações estaduais.

E isso, sem prazo definido, e, pasmem, proibindo a CBB de realizar qualquer competição paralela enquanto o “acordo” existisse (would last for all eternity ou ad aeternum).

Criando asas, a LNB julga-se agora com o direito também de governar nacionalmente outras categorias e envereda por anunciar sua iniciativa, à revelia da nossa CBB e externa publicamente que o SISTEMA É FALIDO.

Faz-se necessário, como entendemos, que a nossa CBB se posicione formalmente contra esse já declarado objetivo e restaure a sua autoridade nacional e que isso seja comunicado à FIBA. Em nosso entendimento, restaura-se a autoridade da governança do basquetebol nacional, como está nas servidões da FIBA.

Entendemos que todos os limites toleráveis foram ultrapassados enquanto a LNB se arvora de autoridade para governar o basquetebol nacional e decide o que fazer em desobediência plena.

É chegado o momento de impor a autoridade existente desde 1933 e não mais chancelar eventos da LNB, que poderá existir independentemente como está na lei que regula o desporto brasileiro.

Indo mais adiante, entendemos que os clubes decidam com quem desejam seguir em face de suas atuais filiações às respectivas Federações estaduais: caso desejem submissão à LNB seja avaliada a sua exclusão da respectiva Federação ante o Estatuto de cada uma.

Quanto aos árbitros e aos jogadores, aplicar-se-ia o que está no Regimento Geral da CBB e nas normas da FIBA.

A CBB jamais deverá se curvar perante qualquer outra entidade esportiva que exista ou venha  a existir no futuro. É como entendemos, justificando nossa opinião que a CBB não mais deverá chancelar eventos da LNB ou de qualquer outra entidade que se julgue autoridade para também governar o basquetebol brasileiro.  

 

Voltar